A leveza de refinadas formas humanas

O Povo - Fortaleza, da redação

Qualquer conceito de escultura como expressão de arte fria, distante e estática, recebe absoluta contestação na obra de Ricardo Amadasi, o escultor argentino que expõe pela

primeira vez em Fortaleza, inaugurando hoje, na Decorart, individual com 18 (dezoito) esculturas em latão, bronze e material sintético.

Impressionantes pelo aspecto de leveza, movimento e harmoniosa elegância, as peças retratam personagens do cotidiano através de charmosas soluções. São, em sua maioria mulheres lindas e curvilíneas, postadas em poses insinuantes, reveladoras da sensualidade impar da mulata brasileira. Parada numa escada, abraçando o namorado, debruçada na janela, ou mesmo olhando-se no espelho, a figura da mulher na obra de Amadasi é quase uma constante. Sempre leves, graciosas e sensuais, elas se mostram despojadas de afetamento e rigidez.

O trabalho do argentino, todavia, coloca-se num patamar diferente, esbanjando autonomia e perseguindo sempre o encontro da humanização e do sentido, através do cotidiano. “Em principio, a escultura é muito sensual, depois eu sempre fui fascinado pelo modelo, a forma” explica Ricardo Amadasi, que descende de família de artistas italianos e desde criança tem se dedicado a esta arte . Escultor reconhecido e respeitado no panorama artístico brasileiro, ele tem sido convidado a mostrar suas obras em importantes salas e eventos de arte.

Para o Ceará, ele trouxe “Imagens da cidade”, com as quais ratifica sua proposta de tentar reencontrar na arte, o sentido da beleza possuída pelo cotidiano. Com a série, Amadasi retrata a arte da rua, nos gestos, atitudes e comportamentos dos que fazem o dia-a-dia das metrópoles.

Trecho do texto da redação

Consulte O Povo - Fortaleza -15 de março de 1988

<< Voltar