À Margem Dalila Teles Veras - Escritora e Poeta

Os artistas plásticos Mariano de Amaral Neto e Ricardo Amadasi, ambos residentes no grande ABC, deixaram a quietude de seus ateliês e resolveram transformar em ação concreta uma discussão que sua arte já assinalava e que ia além da simples preocupação estética: a exclusão social. Foi assim que as esculturas de Amadasi e os desenhos de Amaral ocuparam o adro da Igreja do Pilar, em plena festa da padroeira de Ribeirão Pires. A esta exposição seguiram-se outras, na livraria Alpharrabio em Santo André e na Prefeitura de São Bernardo, agora com debates e leituras de textos e poemas, bem como monitoração a estudantes. Aos pincéis e forjas que, primeiramente voltaram o seu olhar as mazelas do seu tempo, juntaram-se as palavras, irmanando gesto e discurso literário, olhares livres e críticos sobre aqueles que a sociedade excluiu e finge ignorar.

Atenta, mas quase sempre também silenciosa, a socióloga Luzia Maninha Teles Veras, idealizou esta coletânea e imediatamente obteve a adesão da nada menos do que 15 outras vozes que, sem o ranço do panfletarismo, desejam apenas apontar para uma reflexão, com as tintas da arte, essa chaga que a cada dia se alastra mais num país que se resigna e se dá por satisfeito em, desde sempre, ser tão somente o país do futuro. Para nós, que topamos o desafio, esse futuro é agora.

Texto de Dalila Teles Veras

Consulte À margem - Alpharrabio Edições, novembro de 1998

<< Voltar