Matéria, forma, sentimento e movimento de Ricardo Amadasi Paulo Douglas Barsotti -

"Matéria, forma, sentimento e movimento de Ricardo Amadasi" (trecho do texto de Paulo Douglas Barsotti)

Ricardo Amadasi vive e convive ativamente em nosso País desde 1974. Artista mergulhado e atento no "aqui e agora" do mundo concreto, Amadasi transforma sua arte de compromisso estético, ético e social em trincheira de expressão de suas inquietações e reflexões sobre as mazelas de nosso cotidiano. É assi m que suas esculturas apresentam aspectos essenciais da existência humana, buscando o seu real sentido e significado. Diante da insensibilidade, conformismo e indiferença social que parece habitar a subjetividade humana desde o início do século, é que Amadasi insurge.

Daí é que em suas mãos, coração e mente, a matéria firme, disforme e inerte, ganha forma, movimento e sentimento, indignação e denuncia, tristeza e dor, mas também esperança na promessa da utopia a ser realizada, são plasmadas em argila, bronze, resina e metal.

Homem do mundo vivo, participou e participa de vários projetos sociais e culturais, socializando desta forma sua experiência e conhecimento artístico.

O trabalho artístico de Ricardo Amadasi não é de fácil assimilação, pois não se trata de mero exercício formal de belas artes de suas esculturas. Alguns já disseram provocar constrangimento e incômodo. Se elas causam embaraço e desconforto talvez seja porque se proponham a mergulhar na realidade e irem além da aparência do imediato e da mesmice do senso comum. O que de fato elas parecem produzir é uma catarse que desaliena e desentranha. Elas despertam o sentimento de humanidade e nos convidam a uma reflexão existencial. Aliás, não será essa a finalidade da arte?

PAULO DOUGLAS BARSOTTI - Professor e curador da Fundação Santo André - Trecho da Exposição de Esculturas

Consulte FSA Centro Universitário Fundação Santo André - Santo André - SP - Junho de 2007. texto de Paulo Douglas Barsotti

<< Voltar